Newsletter

Advertising

comentarios

 

 

PUBLIQUE ARTIGOS

 

Se desejar ver o seu artigo ou trabalho publicado no nosso site,

Contacte-nos

 

PUBLICIDADE

 

 

 

Condromalácia patelar. Qual o exercício mais saudável?

Condromalácia patelar. Qual o exercício mais saudável?

Mais detalhes

e-Fisioterapia.com: Veja também os nossos directórios video, emprego, clínicas, emuito mais!!

0 .


Condromalácia patelar. Qual é o exercício mais saudável?

Sumário

Condromalácia patelar é uma síndrome que afeta a parte de trás da cartilagem da rótula. Causando dor e instabilidade. Entre outros, as origens são: Desgastado por excesso, sobrecarregando os joelhos em adolescentes, muita força aplicada até os joelhos e mais comum entre as mulheres. Este artigo é uma revisão da literatura de métodos e instrumentos utilizados para a recuperação. Ele também descreve exercícios físicos adaptados a esta população, bem como as precauções a tomar, se você jogar outros esportes. Palavras-chave: Condromalácia. Reabilitação. Exercícios. Joelho. Patela

Astor Miguel López *

Julio López Mora **

astormiguel@yahoo.es


______________________________________________________________________________________________________________

 

 

O que é condromalácia?

Condromalácia é uma degeneração da superfície da cartilagem localizada na parte posterior da rótula resultado da fricção do côndilo femoral na mesma, ou pelo crescimento anormal da cartilagem. Também chamado de "joelho de corredor", pois é muito comum entre os corredores no atletismo (Dryburgh, 1988).

Esta condição, resultante de desgaste, que se sofreu especialmente em crianças e adolescentes que cresceram rapidamente num curto espaço de tempo, atletas e pessoas sedentárias que a tensão da articulação do joelho e pessoas com músculos extensores do joelho com deficite de força, como nos quadríceps. Mais comum em mulheres que em homens (Haspl et al, 2001).

Sintomas externos são ranger ou sensação de moagem, quando o joelho é estendido e dor na parte da frente do joelho (o que é pior depois de se sentar por longos períodos ou subir escadas (DeHaven, 1980). Também pode ser acompanhado por crackling ou popping ao toque (Shahady e Petrizzi, 2004).

Quando o joelho está em um ângulo de 90 º de flexão é quando a patela, conseqüentemente, sofrem mais desgaste. Não é na extensão total ou flexão completa que se verifica maior compressão contra o apófise femoral como nesta posição em que o tendão do quadríceps absorve a carga entre o trocânter femoral (Hans-Uwe Hinrichs, 1999).

Condroma

Figura 1. A imagem é observada como na posição sentada (joelho de 90 graus), há uma erosão da cartilagem que está localizado a apenas atrás da rótula. Isto causa dor e encaixando no joelho em ações como em pé ou andando (ADAM, 2008).

Mas há sempre o resultado de desgaste e esforço em ângulos de flexão. Às vezes, é porque

1. Desequilíbrio entre vasto medial e vasto lateral, o que faz com que o joelho rode para dentro, a rotula em movimento e, finalmente, desencadeia o desgaste.

2. Outra causa é devido a ancas largas, tendo o sujeito que rodar o fêmur para dentro, para andar com os pés alinhados, causando o deslocamento da patela. E assim, por sua vez maior desgaste da cartilagem. A condromalácia é mais comum em mulheres que em homens.


Reabilitação da condromalácia patelar: uma revisão

A origem da condromalácia é o enfraquecimento dos músculos extensores do joelho (Haspl et al, 2001). No início dos anos 80 em academias convencionais, a recuperação conseguia-se trabalhando os músculos com exercícios isométricos, mantendo um ângulo do joelho por um determinado tempo e uma carga adicional com excesso de peso (Zentralbl Chir, 1983).

Mas o avanço da eletrônica e tecnologia da informação faz com que hoje as máquinas isocinéticas são as mais recomendadas (Figura 2). Estas máquinas são capazes de contração muscular tem a mesma intensidade, independentemente do ângulo do joelho. Assim, ganha força em todos os ângulos do mesmo movimento.

41

Figura 2 . Máquina isocinético extensor do joelho

Isto é demonstrado em diversos estudos que trabalharam com ganhos de força isocinética em pessoas com essa síndrome, como Hazneci et al. (2005) que determina a progressão de intensidade em velocidades angulares: Nos primeiros dias de reabilitação: baixa velocidades angulares (60 graus por segundo) e no final da recuperação: alta velocidade (180 graus por segundo).

Também recomendou exercícios proprioceptivos para as articulações da anca, joelho e tornozelo por parte do terapeuta (Lowry, Cleland & Dyke, 2008). Na mesma linha, Brukner (2006) demonstra, através de testes de ressonância magnética, que alem de problemas no joelho, também problemas que afetam as costas e anca, e desalinhamento de membros e descompensação muscular.

Um estudo muito interessante feito por Stathopulu e Baildam em 2003, acompanhou as 22 pessoas que tinham condromalácia patelar com idades entre (4-18 anos), considerando que das 22 pessoas: 8 continuou com problemas diários irritantes, 2 semanais e 10 às vezes. Apenas 2 pessoas neste estudo disseram não terem tido mais aborrecimentos.

Talvez esse estudo deveria ter sido feito em uma grande população de pessoas com essa síndrome, e não tão poucos. Mas esses dados nao devem ser tomados com ceticismo, pois vamos mostrar que em muitos casos, a recuperação é inteiramente satisfatória. Isto é de importância vital na recuperação do paciente.

Quanto à cirurgia, num relatório de Haven, Dolan & Mayer (2003) nas suas pesquisas, apenas 8 em cada 100 pacientes necessitaram de intervenção cirúrgica. Este autor refere-se àqueles pacientes apareceram na consulta com problemas, e que agora não tem problemas.

 


Condromalácia e exercício

Aqueles que sofrem esta lesão, vão para um ginásio indicado por um especialista hospitalar ou um centro de fisioterapia. Muitos desses pacientes eram atletas ativos que não conseguem realizar seu esporte para se recuperar desta doença. Mas é possível realizar este tipo de treino fora da fisioterapia ou hospital, tendo em mente certas considerações.

Uma das primeiras considerações a ter em mente é que o exercício tem de visar a população em geral, especialmente as pessoas com condromalácia, é um exercício que deve ser saudável . Equilibrado em termos de músculos agonistas e antagonistas funcionou.

Seguintes Professor Manuel López Becerro (2000): "Qualquer programa de exercícios físicos que objective ganho de saude, deve consistir de tonificação, alongamento e atividades cardiovasculares."

Então, vamos mostrar o que seria uma proposta para o exercício saudável para pacientes com condromalácia patelar, reunidos estes três campos.

Tonificação

Na sala de musculação. Fortalecimento da parte superior do corpo e fáscia abdominal (músculos lombares e abdominais) de acordo com métodos e sistemas utilizados por outras pessoas. Treino padronizado.

No caso da parte inferior do corpo:

A. Quadríceps máquina. ATENÇÃO: Não iniciar o exercício do "bottom", como fazem outros usuários do ginásio. Ele colocou a máquina para iniciar o exercício de extensão, com o joelho em extensão quase completa. Faça a contração isométrica por 15 segundos. 3 x sessão. 1 minuto entre as séries. Progressão quinzenal. Semanal: 3 dias / semana. (Figura 4).

condro5.jpg

Figura 4 . Contração isométrica do quadríceps. O exercício começa quase em extensão completa

B. Quadríceps máquina. A máquina será colocada na mesma posição como na figura anterior (Figura 4). Haverá deslocamento de 10° para extensão completa. No final, o joelho é girado para dentro, para ativar o vasto medial. 3 x 12 repetições. Um minuto de descanso entre as séries. Aumento progressão quinzenal. Semanal: 3 dias / semana.

C. Isquiotibiais máquina (Figura 5). Realizar uma flexão isométrica de joelho de apenas 5 seg., 3 x 12 repetições. Um minuto de descanso entre as séries. Aumento progressivo quinzenal. Semanal: 3 dias / semana. Quando se sentir melhor, pode ir progredindo ate aos 10º de flexão.

condro6.jpg

Figura 5 . Contração isométrica dos músculos isquiotibiais. O exercício começa quase em extensão completa

Nota: É comum nos atletas com condromalácia usarem uma banda elastica no joelho, a patela (um tipo de luva neoprene no joelho com um furo no centro para libertar a rótula). Este tipo de protetor é muito útil para andar, e também para treinamento de força na academia. Um estudo realizado por Van Tiggele et al.(2005) comprova isso. 167 soldados belgas divididos em grupo controle, sem nenhum tipo de protetor, e outro grupo experimental com protetor de rotula, após seis semanas de treinamento intenso começaram a surgir problemas no joelho em indivíduos que não usavam protetores. Portanto, parece que o uso desses protetores de colocar a rotula no lugar é vantajoso.

Aeróbico

Na piscina . Faça crawl com frutuador entre as pernas (Figura 6). Dessa forma, não irá dobrar o joelho, os músculos vão estar trabalhando de forma isométrica e consegue-se o objectivo de melhorar a qualidade e resistência cardio-pulmonar. Comece com uma série de 25 metros, alternando os dois estilos mencionados acima, de migração gradual para séries mais longas e maior volume de metros em cada treino. Vocês devem ter freqüência cardíaca ea intensidade do exercício aquático nunca deve exceder 85% sua freqüência cardíaca máxima (Lopez, 2007).

condro7.jpg condro8.jpg

Figura 6 . Natação não exerce qualquer ação da parte inferior

Flexibilidade

Exercite todos os músculos envolvidos em cada sessão de treino. Assim, quando o treino é feito em sala de pesos e piscinas. É vital a felxibilização de músculos como o femoral, isquiotibiais e quadríceps, não se esqueça do tríceps sural, adutores, quadrado lombar.

É importante lembrar que um desequilíbrio entre a flexibilidade de um agonista e antagonista pode levar-nos de volta à assimetria e, portanto, ao desalinhamento da rótula.

Alongamento deve ser feito tambem no final da sessão. Manutenção da posição durante 20 segundos. Se alguém ajudar , melhor. Você vai notar melhorias em menos tempo.

condro9.gif

Figura 7. genéricos exercícios de alongamento

 

Treino livre

No caso em que o joelho foi reforçado e a cartilagem foi regenerada pela ação farmacológica, o atleta pode participar em atividades físicas que não estão relacionados com a reabilitação, que já falamos.

Um fator importante é a perda de peso através de treinamento aeróbico na piscina. Isso fará com que haja menos stress sobre a rotula. A dieta também tem um papel importante neste processo (Zhelyazkov, 2001).

Atividades gratuitas que você pode fazer, uma vez que você se sentir melhor, e se o seu médico julgar conveniente podem ser:

Andar, correr (em superfície macia), ciclismo (aumentando a altura do selim um pouco para evitar a flexão do joelho e usar excessiva força ao pedal , golf, patins em linha ... e todos aquelas atividades que não envolvem stress e pressão para a rótula.

Por outro lado terá que fugir de todas aquelas atividades que requerem forte ação do quadríceps e isquiotibiais, e onde há mudanças de direção e / ou travagem brusca, futebol de salão, basquetebol, esqui, squash, tênis, paddle, ... Se o atleta com condromalácia decidir realizar essas atividades, é aconselhável fazê-lo com a frequência mínima semanal, eu continuei com as atividades físicas acima aconselhadas para fortalecer o joelho (Chicharro Lopez, 2006).

Como mencionado acima, esta é apenas uma proposta que deve ser ajustada à sua atividade profissional e / ou medicina do esporte para as características dos pacientes de acordo com sua aptidão, idade, outras doenças, etc ... Mas, em no entanto, ela abre possibilidades para uma recuperação da condição fisica que, em muitos casos provocou o abandono da atividade física.

Bibliografia

· Becerro, M. (2000). Atividade física e saúde para o desafio do século XXI. In: Congresso Internacional de Educação Física. Jerez. ISBN: 84-431233-6-6.

· Brukner PD, Crossley KM, Morris H, Bartold SJ, Elliott B. (2006). Avanços recentes na medicina esportiva. Med J Aust . 20 de fevereiro, 184 (4) :188-93.

· DeHaven KE, Dolan WA, Mayer PJ (2003). Condromalácia patelar do joelho e dolorosa. Am Fam Physician . Jan, 21 (1) :117-24.

· Diaz, Petit, J. Carril De Sande, M. ª L., Gabriel Serra, M. ª R. (2003). fisioterapia em traumatologia, ortopedia e reumatologia . Ed: Springer-Verlag Ibérica.

· Dryburgh, DR (1988). Condromalácia patelar. In: Jornal Teoria Fisiologia Manipulativa . Junho, 11 (3) :214-7.

· Hans-Uwe Hinrichs (1999). lesões esportivas. Prevenção, primeiros socorros, diagnóstico e reabilitação . Ed: Hispânico-europeu.

· Haspl M-Simunjak Dubravcić S, Bojanic I, Pecina M. (2001). Dor no joelho anterior associado com esportes e trabalho. In: Arh Hig Rada Toksikol . Dez, 52 (4) :441-9

· Hazneci B, Yildiz Y, Sekir U, T Aydin, Kalyon TA. (2004). Eficácia do exercício isocinético no senso de posição articular e força muscular na síndrome de dor femoropatelar. In: Knee Surg Sports Traumatol Arthrosc . Setembro, 12 (5) :434-9. Epub 2004 03 de abril

· Chicharro Lopez, J. Vaquero & Fernández, A. (2006). Fisiologia do Exercício . Ed: Panamericana.

· Shahady, J. Edward e Petrizzi, Michael J. (2004). Sports Medicine para técnicos, treinadores e monitores . Ed: octaedro.

· Lowry CD, Cleland JA, K Dyke, de 2008. Manejo de pacientes com síndrome de dor femoropatelar uma abordagem multimodal usando:. Uma série de casos J Orthop Sports Phys Ther . Novembro, 38 (11) :691-702.

· Stathopulu E, Baildam E. . (2003) a dor do joelho Anterior: a longo prazo follow-up.1: Reumatologia (Oxford). Fevereiro, 42 (2) :380-2

· Van Tiggele D, E Witvrouw, Roget P, D Cambier, Danneels L, R Verdonk (2005) Efeito do uso da órtese sobre a prevenção da dor anterior do joelho -. Um estudo prospectivo e randomizado Am J Phys Med Rehabil . Julho, 84 (7) :521-7

· Zentralbl Chir. (1983) Conceitos atuais da etiologia da condromalácia patelar e tratamento . 108 (19) :1204-10.

· Zhelyazkov, T. (2001). Fundamentos do treinamento atlético . Paidotribo Ed.